Valéria Lasca

Psicóloga, Mestre pela Unicamp. Pós- graduação pela Puc, Usp e Sedes Sapientiae.  Consultora em projetos de Treinamento e Desenvolvimento
em empresas privadas e públicas.  Profa dos cursos de graduação
e pós-graduação da Faap.

Revisão de projeto de vida pra 2012

Longevidade e qualidade de vida

Revisão de projeto de vida pra 2012

No cenário organizacional, devemos nos empenhar no planejamento estratégico para o próximo ano. É importante aproveitarmos o final do ano para uma avaliação e reflexão da administração das diferentes áreas da vida, e realizarmos um plano pessoal e profissional para 2012. Algumas orientações podem ajudar na construção deste projeto: Rever as crenças de auto eficácia: Elas são os julgamentos positivos ou negativos que fazemos dos diferentes tipos de ações que realizamos. Muitas vezes, essas crenças engessam nosso comportamento. Por acreditarmos que nunca vamos conseguir, não tentamos aprender algo novo ou não desenvolvemos uma atitude importante para nossas relações interpessoais, tanto no trabalho como na vida pessoal. Para revermos as crenças de auto eficácia, é fundamental o autoconhecimento. Para isto, é importante estarmos atentos aos nossos objetivos, afetos, pensamentos e também à percepção dos nossos pares, líderes e subordinados – bem como dos familiares e amigos – sobre o nosso comportamento.

 

Outro ponto importante é identificarmos o que é qualidade de vida. Atualmente, as empresas realizam projetos de qualidade de vida no trabalho. Assim, também devemos alinhar nossos projetos às nossas expectativas frente à melhoria de qualidade. Segundo a OMS, a qualidade de vida envolve aspectos objetivos que são compartilhados por todos, como um bom trabalho, estabilidade financeira, um bom lugar para morar. Da mesma forma, envolve aspectos subjetivos, ou seja: Do que gostamos? O que nos faz bem? As crises e adversidades fazem parte da vida. Quem nunca teve problemas? Sempre faço esta pergunta nos meus cursos, e nunca ouvi um não. A diferença é como cada um de nós lida com essas realidades. Algumas pessoas têm uma capacidade maior de resiliência – possibilidade psicológica para superação ou manutenção de satisfação diante de situações percebidas como difíceis. Desenvolver resiliência não é algo simples. É de grande importância o ambiente organizacional, e também que cada indivíduo aprimore sua habilidade de coping, que significa estratégias de enfrentamento, ou seja, ampliação das redes de apoio. Quanto maior a rede de apoio, mais fácil a superação de uma adversidade ou de uma perda. Na vida pessoal e profissional, são os amigos, os familiares, os cuidados com a saúde, a organização financeira, a administração do tempo, os cursos, as leituras, entre outros. Eu sempre digo em meus cursos que ter é fácil; o difícil é manter. Devemos cuidar da nossa rede de apoio, pois ela nos ajuda a concretizar nossos planos e nos traz a consciência de que fazemos parte da rede de apoio de muitas outras pessoas com quem convivemos.

 

Nossos planos precisam estar alinhados aos nossos motivos – externos e internos – como o planejamento das empresas, alinhado à cultura organizacional. Para que a nossa motivação interna seja consistente, deve ser pautada nos nossos valores e princípios. Com base nos conceitos apresentados, vale revermos quais são os valores que pautam as nossas escolhas e, em função deles, articularmos e planejarmos um plano para as diferentes áreas de nossas vidas: trabalho, trabalho voluntário, estudos, lazer, amigos, família, espiritualidade, saúde e esportes. A quais destas áreas estamos dedicando mais tempo? Quais as mudanças que podem ser feitas? Considerando os limites e as possibilidades atuais, o que podemos fazer?

 

"A vida é um edifício misterioso que levantamos com as nossas próprias mãos e que deverá nos servir de moradia".

Victor Hugo

 

 

Longevidade e qualidade de vida

Atualmente existe um importante movimento e interesse de vários segmentos da sociedade para o fato da longevidade populacional. Em vários países o envelhecimento populacional ocorre há anos e podemos observar através do importante turismo da terceira idade em todo mundo e programas de preparação para aposentadoria nas empresas. O crescimento acelerado das pessoas de meia idade em diante acontece em função de dois importantes fatores: diminuição das taxas de fecundidade e mortalidade desde a década de 40. Ainda um terceiro fator influência algumas regiões, a migração, se caracteriza pelas pessoas que mudam de cidade procurando qualidade e bem estar pós-aposentadoria. Estas cidades possuem média maior de idosos que as demais. Programas voltados a esta faixa etária são cada vez mais comuns como Faculdade, Turismo, Clubes e também no cenário organizacional nacional o interesse de preparar o profissional para aposentadoria e pós-carreira. O aumento da população de meia idade em diante é legítimo e aponta a demanda de novos projetos e ações profissionais no mercado. Cada vez mais o mercado terá necessidade de entender o fenômeno da longevidade populacional.

 

Alguns conceitos pautam o trabalho diferenciado dos programas de preparação para a aposentadoria nas empresas e projetos sociais: Gerontologia é a ciência que estuda o processo de envelhecimento e velhice, como também os determinantes genéticos, biológicos, socioculturais e psicológicos da velhice. Esta ciência também se preocupa com o impacto social do envelhecimento e ações para melhoria de qualidade de vida em diferentes cenários. Termo introduzido por Metchnicoff em 1903. Geronto = Velho e Logia = Estudo.

 

Profissionais com formações diferentes podem se especializar nesta área através de cursos de pós-graduação lato senso ou stricto senso. Gerontologia x Geriatria: Gerontologia estuda as diferentes faces do envelhecimento e a Geriatria é uma especialidade médica. PPAs são programas em empresas que tem como objetivo preparar o profissional para o pós-carreira, ou seja, para que sejam feitas escolhas assertivas pelos profissionais a fim de administrar o novo tempo e recursos. Alguns profissionais optam pela aposentadoria, outros, por atuar em outra área profissional. A empresa estimula que o profissional se organize para poder usufruir desta fase de vida fazendo um projeto de vida pessoal e profissional.

 

Muitos projetos pós-carreira exigem planejamento de alguns anos pré-aposentadoria, como cursar um curso de pós-graduação, planejar um negócio, entre outros. Velhice é o resultado de alterações físicas, psíquicas e sociais que ocorrem ao longo da vida. É uma fase heterogênea, cada pessoa em função de fatores genéticos, biológicos e principalmente de seu estilo de vida pessoal e profissional viverá a velhice de forma diferente. Temos ao longo da história exemplos de profissional que iniciaram projetos com mais de sessenta anos de idade, como Cora Coralina, Goethe que escreveu a segunda parte de Fausto com mais de setenta anos, Roberto Marinho, entre outros. Qualidade de Vida na Idade Madura e Velhice Bem sucedida são conceitos estudados pela Gerontologia e praticados nas empresas que mostram que também na terceira idade o ser humano está em desenvolvimento. Ao contrário de alguns mitos que velhice está associada a declínio, perdas e inutilidade. Desde que a sociedade, empresas e atitudes do indivíduo sejam continentes e pró-ativas de viver mais e viver bem. MAIS QUE ANOS A VIDA? VIDA AOS ANOS!