Nesta segunda é celebrado o Dia Internacional de Combate à Violência contra a mulher, data instituída pela ONU em 1999. A data foi escolhida para homenagear as irmãs Pátria, Maria Teresa e Minerva Maribal que foram torturadas e assassinadas nesta mesma data, em 1960, a mando do ditador da República Dominicana, Rafael Trujillo. As irmãs dominicanas eram conhecidas por “Las Mariposas” e lutavam por soluções para problemas sociais. Em Brasília, a data será lembrada no Senado e a Esplanada dos Ministérios vai recebe cruzes em homenagem àquelas que morreram em casos de feminicídio.

Os números de violência contra a mulher têm crescido e as mulheres mais velhas, um grupo populacional em expansão no Brasil, também sofrem agressões físicas e psicológicas, embora as pautas estejam focadas geralmente nas mulheres jovens. A mulher velha é mais discriminada do que o homem no mercado de trabalho e os números mostram que na faixa etária de 60+ há um grande número de mulheres que sustentam a casa.

Nos dados gerais, de acordo com a Agência Brasil, o Disque 100 registrou um aumento de 13% no número de denúncias sobre violência contra idosos, em relação ao ano anterior. O serviço de atendimento recebeu 37.454 notificações, sendo que a maioria das agressões foi cometida nas residências das vítimas (85,6%), por filhos (52,9%) e netos (7,8%)

A psicóloga Maria Celia de Abreu, coordenadora do Ideac e autora do livro “Velhice, uma nova paisagem” (Ed. Summus), afirma que o velho em geral, e não só as mulheres velhas, não precisam ser uma vítima passiva. Ao contrário, pode tomar para si a tarefa de educar os seus próximos. Com firmeza, paciência e tenacidade, e não com gritos, agressividade, irritação, ironia ou maldades, como cabe a um educador. “Com atitudes corretas o velho vai acabar conseguindo bons resultados. Cada pessoa decide o que o incomoda, o que ele considera falta de respeito, e isso pode ser modificado em situações em que a expressão do respeito pode ser melhorada, e o idoso deve aproveitá-las”.

Ao expor seu modo de pensar, dizer o que o incomoda, explicar como o outro pode fazer e expressar com clareza como se sente, o velho vai ensinando aos seus próximos como podem ser carinhosos e atenciosos sem deixar de serem respeitosos. Como todo educador, o velho também vai ter que se repetir, sem desistir nem perder a paciência, pois às vezes as pessoas demoram a aprender, e podem ter retrocessos. “Quem não se considera um cidadão de segunda categoria adota a postura saudável de batalhar para se fazer respeitar, ao invés de cair na armadilha, sem objetivo, de ser passivo, engolir o sapo ou exercer pequenas vinganças.”